2 de agosto de 2011

somatizando

sentimento magoado pois ainda não tem nome
indefinível
mas vibra
com seus espinhos e fere tudo o que toca
é sintomático - única característica identificada -
dá náusea, enxaqueca... visão dupla,
autohorror, autoindignação
por permitir a ingestão de coisas secas
tão secas que pegam fogo com qualquer faísca - situação perfeita para a azia -
pega fogo na garganta
que silenciada
não consegue cuspir a fala
nem engolir.
o ouvido escuta surdo assuntos que não o interessam
e escorre pelos olhos
o que não pertence ao corpo

mas insistentemente ressoa por todos os lados
o resto daquilo que ainda não tem nome
mas em mim faz motim

41 comentários :

  1. Muito bom. Tudo que dói soa mais alto aos meus ouvidos. Eu entendo.

    ResponderExcluir
  2. E não dá pra fingir que não grita, né..
    Gostei do Morangos? Maria.

    ResponderExcluir
  3. :D

    está mto bom! mto, mto, mto.

    marcelo cunha

    ResponderExcluir
  4. Confusão de sentidos. Bem louco misturar tudo! Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pelo comentário Kaic! =]

    ResponderExcluir
  6. Respostas
    1. Obrigada, Giovani!
      Seja sempre bem vindo aqui no blog!

      Excluir
  7. Leitura indispensável para aqueles que tentam destruir a crença no corpo, que é a única realidade a que temos acesso. Belo poema!

    ResponderExcluir
  8. Mara M. de Andréa18 de outubro de 2013 10:45

    ... "Mas vibra (...) insistentemente ressoa por todos os lados".
    De fato!!!

    ResponderExcluir
  9. Mara M. de Andréa18 de outubro de 2013 10:46

    ... "Mas vibra (...) insistentemente ressoa por todos os lados".
    De fato!!!

    ResponderExcluir
  10. Tão sincero, tão frágil, tão belo!!!!
    Belo poema, parabéns!!!! Bjs

    ResponderExcluir
  11. "... mas insistentemente ressoa por todos os lados
    o resto daquilo que ainda não tem nome
    mas em mim faz motim"

    Magnífico, minha cara Jessica ♥

    ResponderExcluir
  12. Belo dom... continue assim, lindo poema! Parabéns Jéssica!

    ResponderExcluir
  13. Lindo poema! A dor, o desassossego, o motim impulsionam o corpo para a vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Obrigada pelo comentário, Bel! Seja sempre bem vinda! :)

      Excluir
  14. Pocha! Muito bem!
    Sabe expressar poeticamente uma situação/sentimento tão terrível!
    Caraca! Senti dor!
    Obrigada, Eliete Ferrer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dor que envolve o corpo e a alma, né? Obrigada pelo comentário, Eliete.

      Excluir
  15. Minha querida, vc escreve lindamente. como falar dessa dor que não tem nome , dessa ânsia , desse inquietar-se, dançar sobre espinhos? Alguem já falou em "contentamento descontente" (kkkkkk) Lendo vc me lembrei disso, parabéns!!! Vc conseguiu descrever com muita propriedade um estado de alma que às vezes se apossa de nós...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, Fada. Escrever é uma forma de exorcizar esses demônios que estão dentro de nós. Sejam sempre bem vinda ao blog. Bjs

      Excluir
  16. Respostas
    1. Obrigada, Marili! Seja bem vinda sempre que quiser visitar o blog. :)

      Excluir
  17. Excelente. Descrever a dor é algo difícil, requer talento, sensibilidade. Vc transmite isso. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Sabrina! Seja bem vinda sempre que quiser visitar o blog! Abraços! :)

      Excluir
  18. Leitura deliciosa, parabéns Jessica, continue soltando o seu talento e verás que não vai faltar quem queira se divertir com o seu jogo de palavras. Sucesso menina.
    Lúcia Adélia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo incentivo, Lúcia! Continuarei escrevendo, expurgando sentimentos. Bjs!

      Excluir
  19. Jessica, gostei muito. De uma sensibilidade contagiante.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, Vilmar! Abraços!

      Excluir
  20. Do meio de tantas palavras "duras", surge a beleza da poesia. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Paulo! Só mesmo a poesia para traduzir coisas tão difíceis de expressar através da simples descrição.

      Excluir
  21. Que beleza !! Emoçäo à flor da pele, Jessica!!
    Continue, permaneça!! E que viva a poesia !!
    Abraçao comovido, daqui de longe ...
    Verinha Machado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Verinha! Seja sempre bem vinda ao blog! bjs

      Excluir

comentários: