23 de outubro de 2013

quem pode ser criança?

Caixa,
graxa,
sapato.

Pequenas mãos lustram o fino couro
do calçado.
Pulem a boa aparência do homem engravatado

que não olha

os olhos profundos
os dedos sujos
os braços finos
o semblante calejado

do menino engraxate.

34 comentários :

  1. Adorei, Jessica, emocionante e com cunho social muito forte. Parabéns! beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, AnaCris! Espero de todo o coração que cenas como essa sejam cada vez mais raras.

      Excluir
  2. Muito bom. Parabéns!
    Eli Eliete

    ResponderExcluir
  3. Menina, seu poema me lembrou do Poetinha. Excelente construção poética. Levo-a para meu álbum. Prof. Gilson Caroni , quem me indicou a sua página. beijinhos. Marina Anjocarmim Trindade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei honrada com a comparação, Marina. Obrigada! Seja sempre bem vinda! Beijos

      Excluir
  4. Muito bom seu poema Jé, parabéns!

    Beijos, Cintia.

    ResponderExcluir
  5. Muito lindo o seu poema Jessica, estamos mesmo precisadas de gente jovem com a mente voltada para os escritos sociais, parabéns.
    Lúcia Adélia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, Lúcia! Seja sempre bem vinda aqui. Beijos.

      Excluir
  6. Ora, que achado você é, Jessica! Dizem que a poesia tem sempre o amor como base e o amor ao próximo pra mim é o mais importante deles!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É nos outros que descobrimos o amor. Beijos, Lucia!

      Excluir
  7. Amei!!!! Segue teu caminho, mesmo que surjam pedras no caminho...

    ResponderExcluir
  8. Tão rapido e intenso ... Feliz sexta!

    ResponderExcluir
  9. Maravilha o poema da talentosa Jessica Torres, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo talentosa, rs! Fico lisonjeada! Bjs.

      Excluir
  10. simples, bonito e comovente o olhar dessa menina poetisa.
    Zanuja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Zanuja! Seja sempre bem vinda aqui! Beijos.

      Excluir
  11. Jessica, que lindeza! Fiquei emocionada, você é talentosa, menina!
    Um abraço e continue, querida!
    Maria Olimpia J.Mancini Netto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha se emocionado com minhas palavras. Continuarei. Seja sempre bem vinda aqui. Beijos

      Excluir
  12. Belo... sem mais, fora a beleza de seu texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Alex! Seja sempre bem vindo aqui. =)

      Excluir
  13. muito inspirador. Não é fácil fazer poesia do cotidiano.. Tem que ter talento para alcançar a poesia em algo mais que amor e sofrimento de perda !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monica, obrigada pelo incentivo! Seja sempre bem vinda aqui. Beijos!

      Excluir
  14. Emocionante, Jessica ! Não olham o mundo que está ao redor, não miram o amplo horizonte a sua frente. Triste ! Parabéns, gosto da sua poesia. Sucesso pra você !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nilva, seja sempre bem vinda ao blog! A cegueira e a inercia das pessoas é realmente algo assustador. Beijo.

      Excluir
  15. Olá Jéssica! Estou encantada com tua poesia! Tantas imagens boas me trazes!!!
    Seja bem-vinda ao Vidráguas. Será sempre um prazer te ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado, Vanessa. Amanhã posto um poema lá! Beijos e obrigada pelo carinho.

      Excluir
  16. Jéssica, eu cheguei aqui, de forma assim, meio transversa, numa nau que navega nos mares do saber, do conhecimento, comandada pelo Gilson Caroni Filho, que me tem dado dicas de novos talentos e devo dizer que tu és um deles...Eu gosto de engraxar meus sapatos, com engraxates e ao contrário dos engravatados de plantão, gosto de conversar e olhar nos olhos, só para contrariar, só para ser a exceção à regra, só para contrariar o coro dos contentes...Eu adorei essa Poesia que li, lerei mais coisas tuas, com certeza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Provisano! Seja sempre bem vindo ao blog. Abraços!

      Excluir
  17. A força da poesia é capaz de tornar belo aquilo que é intragável.
    Realidade dura, texto encantador. Parabéns!!
    Beijos, Carol Santos

    ResponderExcluir

comentários: